Sangue, suor e lágrimas de quem, Witzel?

Isabele Rangel, da BandNews FM, diz que hoje, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, comparou as operações contra o tráfico de drogas no Rio à 2ª Guerra Mundial.

Ao comentar as fotos de crianças deitadas no chão dos corredores de escolas públicas na Favela da Maré, Witzel perguntou o que teria acontecido durante a Segunda Guerra Mundial se os ingleses não tivessem resistido aos ataques se escondendo em abrigos subterrâneos.

Carlos Andreazza, em O Globo, recupera as palavras do governador:

“Quando a gente vê imagens das crianças deitadas nas escolas, a gente esquece que, durante a Segunda Guerra Mundial, se não fosse o inglês ir para baixo da terra, no bombardeio dos nazistas, e Winston Churchill ter enfrentado, com sangue suor e lágrimas, o nazismo, o que seria da humanidade hoje? O que seria do mundo, se Napoleão, Victor, tivessem vencido as batalhas? Porque hoje, guardadas as proporções, é o mesmo que acontece com o crime organizado. E nós vamos nos abater? Não. Nós vamos, hoje, fazer com que nossas crianças, elas se recuperem de todo esse trauma. Vamos ajudar as famílias. Porque amanhã essas crianças vão estar de pé em suas comunidades.”

Witzel não se deu conta de que aquilo que levava os ingleses para os abrigos eram as bombas alemãs, não os disparos de helicópteros de seu próprio país, como está acontecendo.

A força policial serve para proteger a população e contrapor-se aos criminosos, necessariamente nesta ordem. Disparar sobre uma escola, sobre ruas, sobre casas onde estão inocentes, muitos deles crianças que nem mesmo sabem se proteger.

Ataque indiscriminado, que não leve isso em conta são comparáveis ao que fizeram os nazistas, que lançavam suas V-1, V-2 e as bombas dos seus Heinkel.

Será que Witzel lembra do nome de quem mandava fazer isso?

Comentários no Facebook