Queiroz “assina” culpa por “bolsa-milícia” a família de ex-capitão PM

Como bem sabe quem lida com jornalismo policial, aquele que não tem salvação vai “assinando” em nome de outros que ainda esperam escapar do que fizeram.

Fabrício Queiroz, sem salvação depois do movimento de R$ 7 milhões  – saiu em socorro do amigo Flávio Bolsonaro e assumiu a “nomeação” da mulher e da mãe do ex-capitão e chefe da milícia “Escritório do Crime”, Adriano Nóbrega, porque este se encontrava preso.

“(…) vale frisar que o Sr. Fabrício solicitou a nomeação da esposa e mãe do Sr. Adriano para exercerem atividade de assessoria no gabinete em que trabalhava, uma vez que se solidarizou com a família que passava por grande dificuldade, pois à época ele estava injustamente preso, em razão de um auto de resistência que foi, posteriormente, tipificado como homicídio, caso este que já foi julgado e todos os envolvidos devidamente inocentados”, informa a nota do advogado de Queiroz publicada por O Globo.

Quer dizer que Queiroz, além de financeiro, motorista, também era o recrutador de pessoal para os cargos do gabinete de Flávio? E que o vereador, por puro espírito cristão, deu a cada uma uma “boca boa” de R$ 6,5 mil mensais sem nem saber quem eram?

É o “bolsa-milícia”?

Será que nessa história da carochinha alguma hora vai aparecer algo “plausível”.

Comentários no Facebook