Os indiferentes minguam e rejeição a Bolsonaro dispara

A pesquisa do El País, com dados do Atlas Político, não surpeeende ninguém ao apontar um índice expressivo de crescimento na rejeição de Jair Bolsonaro.

Nem tanto pelo número total – 36,2% de clasificação como ruim ou péssimo – mas pela velocidade com que vem se erodindo a popularidade alguém que foi eleito, faz pouco tempo, por 57% dos eleitores.

Os 28,6% de bom e ótimo que o ex-capitão alcança são, em linguagem direta e dura, apenas  a metade dos que o sufragaram.

É verdade que os remanescentes, pela radicalização à qual o presidente carrega o processo político, ainda é grande.

Não há razão objetiva para que 28% das pessoas achem ótimo ou bom um governo que nada de positivo para o Brasil ou para suas vidas trouxe.

Mas é ainda o núcleo duro do ódio que sobrevive.

O mal que a histeria trouxe ao Brasil é tão grande que é maior que a desgraça que Jair Bolsonaro dos trouxe e, ao que tudo indica, sobreviverá a ele.

O breve, porque nenhum governante, nestes tempos, consegue sobreviver com sua base de aprovação se dissolvendo nesta velocidade.

Comentários no Facebook