Os exterminadores da civilização

Estamos em tempos deploráveis.

A Folha publica hoje uma reportagem com uma cidadã que, nascida nos EUA e filha de pais brasileiros, veio para o Brasil para abrir um curso de “como fisgar uma marido rico”.

Um “sugar daddy” para cuidar de uma “sugar baby”, pagando-lhe as contas em troca, claro, de ter uma figurante bonita a seu lado.

Não é propriamente uma novidade: as mães de ‘misses’ praticavam esta indústria nos anos 50 e 60, entre maiôs Catalina e edições de “O Pequeno Príncipe”.

Mas é incrível que tenha voltado com força a ideia de “princesa” que, como disse nossa espetacular Ministra da Mulher, “gostaria de estar em casa toda a tarde, numa rede, e meu marido ralando muito, muito, muito para me sustentar e me encher de joias e presentes”.

O outro nome disso, além daquele em que você já pensou, é o de escravidão. Afinal, quem paga, manda.

O que não é, também, estranho, porque a D. Damares diz que dentro da “concepção cristã, a mulher, sim, no casamento é submissa ao homem e isso é uma questão de fé”.

Amém…

Comentários no Facebook