O PIB que cresce agora é o “Pobreza Interna Bruta”

Os números da Comissão Econômica para a América Latina, um órgão da ONU, são avassaladores.

O número de miseráveis nos países latino-americanos subiu e coube ao Brasil a posição de “locomotiva” desta marcha-a-ré.

Diz o El País que “o aumento da pobreza extrema da América Latina se explica, em boa medida, pela má evolução do Brasil, disparadamente o país mais populoso da região, que entre 2015 e 2017 viu a pobreza extrema saltar de 4% para 5,5% da sua população”.

1,5% de uma população de pouco mais de 200 milhões de pessoas são mais de três milhões de seres humanos. Oito milhões de miseráveis passaram a ser 11 milhões.

Gente que vive com menos de 1 dólar por dia.

Considerado o conceito de pobreza – US$ 2 dólares por dia – são 40 milhões, 19,9% da população.

Até agora, o que se expôs para vencer este problema foi o de o projeto da bala.

Logo adiante, ao que parece, trata-se de passar os direitos previdenciários pelo liquidificador.

Somos um caso sui-generis de país que diz apostar em desenvolvimento econômico com empobrecimento da população.

Só se PIB agora significar “Pobreza Interna Bruta”.

Comentários no Facebook