O ‘mercadismo’ exige sangue na reforma da Previdência

Era pedra cantada que, quando chegasse a hora de mostrar a faca a ser cravada nos trabalhadores, o “mercado” ia querer corte mais fundo do que, aparentemente, aquele que Jair Bolsonaro está disposto a dar.

Isso era perceptível, ontem e foi escancarado hoje por Miriam Leitão que, desta vez sem ponto eletrônico, partiu para cima do ex-capitão:

 O maior inimigo do governo nesta reforma tem sido ele mesmo.
Bolsonaro nunca foi um reformista, sempre defendeu pleitos corporativistas(…)

Miriam quer cortes onde sabe que Bolsonaro só pode fazer arranhões:

Metade do orçamento da defesa é o gasto com aposentadoria dos militares. O déficit das Forças Armadas é de R$ 40 bilhões, sendo que o valor médio dos benefícios é de R$ 11 mil. Quase 40% dos militares se aposentam antes dos 50 e com valor integral. É o regime com o maior déficit per capita, mas mesmo assim não há cálculo atuarial porque as Forças não revelam os dados nem mesmo ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Paulo Guedes, ao contrário, é e será tratado com benevolência confessa:

O ministro Paulo Guedes terá na sua empreitada o apoio dos principais veículos de imprensa, e dos jornalistas especializados, ou seja, a mídia tão criticada pela família presidencial nas redes sociais.

A família presidencial, porém, não gosta da perda de protagonismo.

Comentários no Facebook