O discurso de Lula na despedida de Marisa. Assista.

desp

O discurso de Lula será noticiado pela frase “Dona Marisa morreu triste com maldades que fizeram com ela. Quero provar que os facínoras que fizeram essa maldade com ela tenham a humildade de pedir desculpas.”

Apesar das lágrimas, porém, a fala de Lula foi uma revisita à trajetória da vida de mais de 40 anos, a rigor uma vida inteira.

Do jeito seu, simples, sem o choque da morte que, há dias, se sabia inevitável, acho que não é exagero corrigir. Lula não fez uma revisita,  mas um passeio final com a companheira, passeio que começou justamente ali, no mesmo salão do sindicato onde se casou com ela.

Como  escrevi ontem, saiu um Lula mais forte deste episódio.

Mais forte por dentro, porque fica nítido que, ao lado da força que ela sempre lhe deu, o ex-presidente revela que, embora absolvido pela companheira, ele se sentia devedor de protegê-la e de cuidar, como nunca pôde cuidar.

Mais forte por fora,porque se mostrou grande e não se despejou em ira, em intransigências, mostrou seu tamanho de homem de Estado.

Recebeu, civilizadamente, homens que não miúdos e, operário “ignorante e despreparado”, teve a enormidade de ser gentil e falar com eles do que deveria falar: do seu país.

Falou com a informalidade que sempre foi a sua, um completo contraste com o emploamento dos falsos.

Empurrou para a selva os selvagens e não se confundiu com eles, porque não é um selvagem de outra tribo.

Toda a vingança que deseja é um pedido de desculpas.

Que siga o conselho que muita gente lhe daria, agora, dado pelo arcebispo de Blumenau, Dom Angélico Sândalo Bernardino: “descanse, Lula, porque o Brasil precisa muito de você”.

 


Der WhatsApp Chat ist offline

Comentários no Facebook