Mourão assina “transparência secreta” de Bolsonaro. “Acuenda o pajubá”, Moro

A pressa é muito amiga das intenções.

Não era algo urgente, mas certamente era algo muito conveniente.

Portanto, Jair Bolsonaro delegou e Hamílton Mourão assinou decreto permitindo que não apenas  um grupo muito restrito de autoridades – presidente da República, vice-presidente, ministros de Estado, comandantes das Forças Armadas e chefes diplomáticos – possam limitar o acesso à informação dos atos de governo.

Estendeu o poder para “maçanetas” de segundo e de terceiro escalão, que agora podem, sem os ônus políticos que seus chefes teriam, carimbar “reservado”, “secreto” ou “ultrassecreto” a papeis cujo conteúdo ficará fora do alcance do público por até 25 anos.

Isso enquanto o ministro da Justiça, que considera que devam ser de conhecimento público até escutas não-autorizadas do telefone da Presidente da República passeia em Davos…

Uma bela maneira de cumprir o que ele está prometendo em Davos, acabar com a corrupção: tornando secreta a informação que ermita ao cidadão e à imprensa chegar a ela.

Taí, é a velha máxima sendo posta em prática: o que os olhos não vêem é corrupção que não se sente.

Ou ainda o que pregava o físico Niel Bohr, um dos gênios da física quântica: “Nenhum fenômeno é fenômeno até ser observado.”

Talvez, porém, a razão seja a de que permaneça entre poucos o que poderia causar constrangimento fora da “turma”.

A versão governamental do “acuenda o pajubá” oficial, a bobagem inserida na prova do Enem sobre o “dialeto secreto” gay  que virou cavalo de batalha presidencial.

 

Comentários no Facebook