Moro fica em quarentena para não se queimar

O sr. Sergio Moro agigantou sua pequenez nestes dias de combate ao coronavírus.

E havia muito o que fazer.

Poderia ter ajudado a resolver o problema dos caminhoneiros que seguem circulando, com a Polícia Rodoviária controlando a abertura de postos de combustíveis que servem refeições exclusivamente para eles com a instalação de tendas e mesas, com distanciamento adequado, para que possam se alimentar. Bastaria um telefonema para autoridades estaduais e é certo que abririam exceção nestes locais, sob supervisão da PRF e, mesmo, das polícias rodoviária estaduais.

Poderia estar com a Polícia Federal investindo sobe os que estocam, criminosamente, produtos desinfetantes, máscaras cirúrgicas, vestimentas anticontaminação e, pior, aparelhos para intubação aérea de pacientes severos.

A mesma PF deveria estar agindo nos aeroportos, onde são inúmeros os relatos de que não há controle sanitário algum sobre os que desembarcam e voos internacionais.

Poderia propor legislação para liberar, provisoriamente, presos de baixa periculosidade e idade na faixa de risco, aliviando a superlotação dos presídios e não ficar argumentando que isso iria colocar criminosos na rua, o que já não falta.

Poderia estar dando correta orientação jurídica – se disso fosse capaz – para que o Ministério da Economia não baixasse atos inconstitucionais.

Poderia, mas não está.

Apareceu de máscara naquela pantomima da “entrevista coletiva” mas, de resto, tem procurado sumir, escafeder-se, omitir-se numa questão que é de segurança pública, porque se trata de usar civilizadamente as forças policiais para apoiar e organizar o fluxo indispensável de pessoas e de produtos pelo país.

No mais, está desaparecido, comemorando apreensão de maconha no Twitter e, ao contrário do chefe, mandando as pessoas ficarem em casa, para não entrar no braseiro da impopularidade que Bolsonaro entrou.

Ainda assim, está chamuscado.

Comentários no Facebook