Lula não troca sua inocência por “culpa menor”

Há quatro anos estamos vendo pessoas trocarem sua dignidade por “leniências” e penas mais brandas.

Vendo delações sendo trocadas por contratos de  bônus empresariais, gratificações, ganhos financeiros.

Lula ganhou hoje o direito de sair da solitária dentro de quatro ou cinco meses.

Ao contrário de todos eles, não comemorou.

A dignidade, esta característica em escassez, o impediu.

““O presidente Lula não esperava nada de positivo desse julgamento”, afirmou Emídio de Souza, que o visitou hoje.

“Aqui dentro desse prédio há um homem que quer sair, se sente injustiçado, mas não quer sair de cabeça baixa e não sairá.”

Os delatores dizem o que lhes renderá menos anos e menos meses de cadeia.

É a dignidade que falta aos seus juízes, não encarar a Justiça com um arranjo, um negócio, onde a liberdade é algo a ser negociado.

O STJ só fez reforçar o martírio de Lula, que não pede a liberdade e não a troca por suas conveniências.

A cada maldade que lhe fazem, Lula cresce.

Comentários no Facebook