Levandowski a Toffoli: passou a eleição e o Lula não pode falar?

Num despacho cheio de ironias, o ministro Ricardo Lewandowski disse ao presidente do Supremo, Dias Toffoli, que “se entender” assim, suspenda a “heterodoxa liminar” com que Luiz Fux proibiu, revogando decisão judicial, que o ex-presidente Lula fosse entrevistado.

Levandowski aponta que a “razão” de Fux – o “elevado risco de que a divulgação de entrevista com Lula, que teve seu registro de candidatura indeferido, cause desinformação” durante o processo eleitoral – já deixou de existir.

“Ou seja, a fundamentação utilizada para o reconhecimento do fumus bonis juris e do periculum in mora foi esvaziada após a realização da Eleição/2018, pela qual o povo brasileiro já conhece o futuro Presidente da República. Portanto, não há mais o suposto risco de interferência no pleito, pelo que cumpre restaurar, sem mais delongas, a ordem constitucional e o regime democrático que prestigia a liberdade de expressão e de imprensa”

Foi, talvez, a mais descarada censura e manipulação já praticadas no Brasil – e só assim, mesmo, para anões como Tofolli e Fux se inscreverem como “maiores” na história do Supremo. Alegar que um ex-presidente falar pode ser uma interferência ilegítima numa disputa eleitoral é destas coisas que superam a jabuticaba como originalidade nacional.

Mas aconteceu, e é reflexo não só do ódio que devotam a Lula como, também, do sentimento autoritário que têm de que podem e devem tutelar o povo brasileiro.

Nunca antes na história deste país que já viveu as mais brutais censuras, a Justiça determinou que alguém fosse posto obrigatoriamente em silêncio.

 


Der WhatsApp Chat ist offline

Comentários no Facebook