Laudo mostra que porteiro da Fiocruz foi alvo de “sniper”

O jornal Extra obteve o laudo pericial que indica que Rômulo Oliveira da Silva, de 37 anos, porteiro da Fundação Oswaldo Cruz, assassinado quando estacionava sua motocicleta na Favela de Manguinhos, há dois meses, foi morto por um tiro de fuzil, disparado de cima para baixo.

O laudo é compatível com a acusação de testemunhas da morte, de que o disparo foi feito por um atirador de precisão do alto da torre da chamada “Cidade da Polícia”, vizinha à comunidade.

É, provavelmente, a primeira vítima fatal dos ‘snipers’ que o governador Wilson Witzel diz já estarem em ação para “mirarem na cabecinha” de quem julguem estar armado de fuzil.

Rômulo não estava, é claro.

Mas, diz o governador, isso não é problema dele.

Comentários no Facebook