“Kit-limpinho” pode? Não é água e sabão, é educação

O problema da estupidez é que ela se contradiz com a vida real.

O sr. Jair Bolsonaro chamou a atenção, hoje, para o sério problema da falta de higiene íntima que, todos os anos, segundo ele leva a ” mil amputações de pênis por falta de água e sabão”.

O número de casos de infecções femininas, pela mesma razão, é ainda maior.

E isso não espera, Sr. Bolsonaro, a maioridade.

Começa com as crianças, que precisam receber orientação e informação.

Mas como fazer se o senhor quer amputar qualquer orientação sobre órgãos genitais do material de apoio enviado às escolas, mandando até ‘arrancar as páginas’ que mencionam a existência destas ‘obscenidades’?

O senhor diz que “no meio militar a gente ensina a escovar os dentes e, ao garoto que presta serviço militar obrigatório, também outras coisas”. Supondo que estas outras coisas sejam a higiene íntima, o senhor acha que é possível esperar até os 18 anos para aprender a usar “água e sabão”?

E as meninas e meninos que não vão aprender nos quartéis, a grande maioria? E os que não serviram, como os seus filhos, ficam sujeitos ao risco da amputação?

Se o senhor tem esta preocupação, não poderia estar fazendo uma campanha para que, nas escolas, não se possa falar dos órgãos sexuais.

E o mesmo que esta conversa sobre o Brasil  ser o “paraíso do turismo gay”. Se o senhor passar, alta noite, nas calçadas de qualquer região turística – ou mesmo nas estradas que cortam a periferia – vai ver que o negócio do sexo não é gay, mas envolve milhares de meninas, menores, se oferecendo a quem passe.

O moralismo, senhor Bolsonaro, é hipócrita como o senhor é.

E os hipócritas, mais que bactérias, matam pessoas.

Comentários no Facebook