Guedes, tirar 43,5% de um aposentado de R$ 2 mil é cortar “privilégio”?

Ontem, ao falar na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, o Ministro da Economia sofismou à vontade dizendo que a reforma da Previdência era para proteger os mais pobres, usando como argumento o aumento escalonado das alíquotas para os vencimentos mais altos do serviço público.

Demagogia barata, porque isso representa apenas 2,5% do dinheiro que visam com as mudanças.

Guedes só se intimidou diante da intervenção do senador Paulo Paim que, educadamente, o desafiou a provar, nos casos concretos, onde estava a tal “proteção aos pobres”.

Hoje o UOL publica um exemplo, formulado pelo Instituto de Estudos Previdenciários que, espero eu, seja repetido diante de Guedes, se este não faltar  outra vez, à Comissão de Constituição e Justiça.

Um trabalhador de 65 anos de idade, com 20 anos de contribuição e com média salarial de R$ 2.240,90 receberia hoje 90% da média, e sua aposentadoria seria de R$ 2.016,81. Com a reforma, a média salarial desse mesmo trabalhador cairia para R$ 1.899,41. Ele receberia 60% da média, e a aposentadoria seria de R$ 1.139,65, uma diferença de R$ 877,16.

É isso mesmo, uma perda de 43,5% nos seus proventos.

As perdas só deixam de existir existir – e não totalmente, porque a média de cálculo abrangerá todas as constribuições, não só as 80% maiores desde 1994 – quando o cidadão completar 40 anos de trabalho, com 65 de idade.

Mas tem de mostrar assim, com dinheiro, não com índices, fatores e percentagens, para que o povão entenda.

Comentários no Facebook