Filho 01 diz que “não tem mais nada a dizer”. Teremos uma “Operação Abafa”?

Daqui a dois dias, o ministro Marco Aurélio, se cumprir o que vem dizendo, “manda para o lixo” o bloqueio da investigações do caso Flávio Bolsonaro-Fabrício Queiroz.

Não haverá, portanto, nenhuma razão para que os personagens destes negócios obscuros, suas movimentações financeiras e suas ligações com o crime organizado da milícias não sejam chamados a apresentar suas versões, aquilo que acham ser suas “histórias plausíveis” sobre os milhões e os chefões que abrigavam em suas conta bancária e no gabinete parlamentar.

Nenhuma, se não se puser fim à arrogância com que tratam de tudo, até agora.

Fabrício Queiroz pretende, porém, não depor e mandar um texto escrito por seus advogados. Idem para sua mulher e filhas.

Flávio Bolsonaro, que hoje foi depositar suas digitais no sistema biométrico de votação do Senado – embora, a esta altura, já devesse estar depositando-as em outro lugar – diz que “já disse tudo o que tinha para dizer”.

Ou seja, nada.

O “powerpoint” montado pela Folha, hoje, nada tem a a ver com aquele espalhafatosamente exibido por Deltan Dallagnol e aceito por Sérgio Moro para condenar Lula.

Neste, há dinheiro circulando entre contas pessoais, não ilações ou convicções que dispensam provas.

Abafar será tão difícil quanto esconder podriças.

Comentários no Facebook