E lá vai o Rio, ladeira abaixo, outra vez

piccicana

Durou pouco a esperança dos servidores públicos do Rio de Janeiro de terem ao menos “menos atrasados” os seus pagamentos.

O presidente da Assembléia Legislativa do Estado, Jorge Picciani, foi recebido no aeroporto para ser conduzido coercitivamente a depor pela PF. Seu filho – não o ministro do Esporte, Leonardo, mas o caçula, Felipe – foi preso. Mais dois deputados – Paulo Mello, ex-presidente da Assembleia, e Edson Albertassi, indicado para o Tribunal de Contas – também estão sendo levados à polícia. E os empresários de ônibus, libertados por Gilmar Mendes, voltam à cadeia. Um terceiro, que está em Portugal, teve a extradição negada pela Justiça portuguesa.

Como Picciani é o fiador da manutenção de Pezão no Governo do Estado, um governante sem qualquer vestígio de autoridade, o edifício em ruínas estremece.

A família Maia, Rodrigo e Cesar, olham, salivantes, a situação.

O PMDB do Rio não apenas está entrando pelo cano, depois de mais de uma década de poder. Está mesmo entrando em cana.

contrib1


Der WhatsApp Chat ist offline

Comentários no Facebook