Direito da Embraer na “sociedade” com a Boeing é só o de olhar a reuniões

Saudada como “joint venture”, parceria, sociedade, a nova Embraer, agora de propriedade da Boeing, reservou um papel  ridículo à empresa original.

Não terá nenhum diretor, apenas poderá colocar um “observador”, sem direito a voto, no Conselho da “NewCo”, como se rebatizará a Embraer, claro que antes de ela se tornar um mero setor de jatos médios da gigante americana.

E mesmo este observador, segundo publica hoje o Valor, poderá ter restringido o acesso  a “materiais ou reuniões que possam comprometer a confidencialidade jurídica, que resultem em segredos de negócios ou que possam configurar conflito de interesses “.

Este foi, aliás, o principal ponto em que se apoiou a decisão judicial que havia travado o acordo, depois derrubada, a pedido do governo brasileiro, no Tribunal Regional Federal da 3a. Região.

Na empresa que ficará com o segmento militar, com 51% da antiga Embraer, ela pode indicar até quatro dos cinco diretores, menos um, adivinhe, o financeiro. Ou seja, quem cuida do dinheiro é a Boeing.

Chega a dar medo que este negócio tenha sido aceito pelo governo que mais tem militares em seu ministério, mais até que o regime de 1964.

Se é isso o que chamam de defender seu país, valha-nos Deus…

 

Comentários no Facebook