Desculpe, Lula; obrigado, Lula

Na entrevista que deu a Luiz Gonzaga Beluzzo e Eduardo Moreira, para o GGN, o ex-presidente Lula recusa, expressamente, uma progressão de regime de sua pena e a possibilidade de sair do cárcere com uma tornozeleira eletrônica.

Parece chocante, num regime judicial em que fazer negócio penal – “entrega o fulano que eu solto você” – que alguém esteja recusando sair de uma cela para sua casa.

Mas é o normal, ao qual nos desacostumamos.

Que a verdade e a dignidade pautem o comportamento humano.

E o comportamento dos políticos.

O melhor argumento em favor da honestidade de Lula é a honradez de seu comportamento.

Lula é o único político que pode ser ouvido nos ambientes populares e se contrapor ao populismo de extrema direita, com sucesso.

Tendo com argumentação essencial o que foi, que fez e o que é.

Este personagem é maior que o ser humano, embora dele seja derivado.

Mas em Lula o personagem político é mais forte que sua condição humana .

A grandeza de Lula o coloca em uma altura diante da qual a Força Tarefa da Lava Jato tem a estatura de um anão moral.

 

Comentários no Facebook