Datafolha mostra que Haddad ainda está no jogo

Ao contrário do que, mais cedo,  indicavam os números do Idea Big Data publicados pela Veja, a vantagem de Jair Bolsonaro sobre Fernando Haddad  aparece, na pesquisa Datafolha, em situação mais  pronunciada, mais perto do que seria, a meu ver o patamar irreversível dos 60% para o candidato da extrema direita.

Dá 58% dos votos “válidos” ao ex-capitão e 42%, no mesmo critério, ao candidato da frente antifascista.

Nos votos totais e numéricos, o resultado pode ser mais bem compreendido.

Bolsonaro passa dos 42,1% que recebeu na primeira volta eleitoral para 49%. Ou, em números, de 49,3 milhões para  57,3 milhões. Mais 8 milhões de votos.

Haddad, que recebeu domingo 26, 7% dos votos totais, passou para 36%, segundo o Datafolha. Ou, em números absolutos, de 31,3  milhões para 42,1 milhões de  votos, um acréscimo de 10, 8 milhões de votos.

A diferença seria de 15,2 milhões de votos.

Há, segundo a pesquisa, 6%de indecisos, ou sete milhões de votos.  E 8% de brancos de nulos/brancos, o equivalente a 9,4  milhões de votos. Os “não-voto”, portanto, somam algo acima de 16 milhões de votos, um pouco mais do que a diferença entre os dois candidatos.

Evidente que este contingente não irá para um único deles, nem mesmo irá todo para algum dos candidatos, mas parte dele, sim.

Mas não será o bastante se não houver reversão na tendência de voto em Bolsonaro.

Sua ausência dos debates, confirmada hoje, pode ser a ponta a se puxar para isso.

Afinal, para usar as palavras do próprio Jair Bolsonaro, “soldado que vai à guerra e tem medo de morrer é um covarde”.

 


Der WhatsApp Chat ist offline

Comentários no Facebook