Corte de cargos pode paralisar universidades federais

O decreto assinado ontem por Jair Bolsonaro, extinguindo 21 mil cargos e funções gratificadas tem um alvo certo: as Universidades e Institutos Federais de Tecnologia.

São 11.261 funções com as quais se estrutura a administração das 70 universidades federais, com seus 1,3 milhões de alunos. E mais 1.870 funções comissionadas de Coordenação de Curso – FCC – destinadas aos professores que exercem  a coordenação acadêmica de cursos técnicos, tecnológicos, de graduação e de pós-graduação nas instituições federais de ensino.

Além disso, 119 cargos de direção e 460 outras funções, nestas escolas.

A grande maioria, gratificações modestas, variando entre pouco menos de R$ 300 e R$ 900.

Sem elas, porém, o seu funcionamento vira um caos.

Isso, na cabeça dos olavetes que controlam o Ministério da Educação, deve ser uma medida saneadora pois, segundo o seu guru, o astrólogo Olavo de Carvalho, “A Universidade brasileira é distribuidora de drogas e nada mais”.

Comentários no Facebook