Com Datafolha e JN de hoje, Haddad passa de “poste” a vidraça

A partir desta noite, completa-se a mudança de tom da campanha eleitoral.

Saem a pesquisa Datafolha – possivelmente com o candidato do PT já em segundo lugar – e haverá  o bombardeio previsível da entrevista ao Jornal Nacional.

Até agora tratado como “um bom rapaz, cujo defeito é ser do PT e de ter se deixado tutelar por Lula para ser seu poste”, Fernando Haddad será, agora, “incompetente, corrupto, e conspirador contra a Justiça, por  querer soltar Lula”.

A julgar pelo desempenho que teve na Globonews, a não ser por algum trunfo guardado na manga, Haddad não corre grandes riscos.

É bom que se lembre, porém, que Lula citou “as mentiras da Globo” duas vezes na carta em que o indicou candidato e se prepare para bater no ponto sensível desta história: o espectador sabe que a emissora odeia Lula, mas deve ser lembrado disso, para tornar rombuda a lança global.

Já a pesquisa vai acentuar o fogo por parte dos que disputam com ele a vaga no segundo turno. Ignorá-lo poderia ser uma boa tática enquanto seus percentuais eram inexpressivos, mas o desespero fará que despertem teses eleitorais que, afinal, não passam de exercício de esperanças de quem se recusa a ver a realidade.

Mesmo com o prejuízo real e objetivo de não poder comparecer a debates, não há o menor sinal de que o eleitorado de Jair Bolsonaro vá se esvaziar, como sugere hoje Merval Pereira, em O Globo, para migrar para Geraldo Alckmin ou para Marina Silva.

O contrário, hoje, é o que se vê.

Comentários no Facebook