Carta aos pais e mães da besta fascista

Senhores ministros, desembargadores, juízes.

Senhores editores, comentaristas, jornalistas políticos.

Senhores donos e programadores de TV que encheram telas e alto-falantes do “mundo-cão” e dos brados de “senta o dedo”.

Apresento-lhes o seu filho, o fascismo.

Não é mais apenas o “bebê de Rosemary” que os ajudou a depor um governo eleito.

Ele já está andando sozinho na rua, pela mão de Jair Bolsonaro.

Leva porretes para bater nos “indesejáveis”.

Carrega capim em carroças para “dar” a eleitores nordestinos.

Já fala “direitinho” palavras como “esquerdopata” (porque ser de esquerda é doença), que as mulheres “não são higiênicas” se forem feministas, já diz que vai prender, bater, torturar, matar, metralhar.

Bate palmas para quem vilipendia uma morte, quebrando em público uma singela placa com o nome de uma mulher assassinada.

Sobretudo, já fez as pessoas   se tornarem adoradoras de um novo deus, pagão e mau, o “Mito”, que trocou a cruz do sacrifício pela pistola do exterminador.

Não neguem que este horror disforme que assola a sociedade seja seu filho. Em seu DNA está a intolerância, a ideia de que a sociedade se divide em homens e mulheres bons e homens e mulheres maus, e que a estes cabem, pela ordem, porrada, bala, lei e cadeia.

Os senhores transformaram a cela, a cadeia, a prisão nos ícones da realização da felicidade, em lugar da escola, do trabalho e fizeram do monstro o mito adorado.

Agora, o menino está a ponto de pegar a chave da casa.

E, lamento informar, virá cheio de apetite sobre os senhores.

Seu amiguinho fardado, a muito custo, está sendo contido.

– Espera, espera, depois a gente…

Pois é, esperem.

Porque não será outro o destino de vocês, diante da fome infinita de inimigos, o alimento envenenado que produzem em sua mente obcecada.

Se querem escapar, não usem o mimimi de que “todos são iguais”.

Os que vocês chamam de “iguais” a ele nunca fizeram apologia da morte, da discriminação, nunca tomaram bens de ninguém e nunca os impediram, infelizmente, de usarem o poder que têm, ainda que fosse para amalgamar o mal.

Ou é preciso alguém de fora, como o alemão (que aqui vive há seis anos), Philipp Lichterbeck , na Deutsche Welle?

Agora me pergunto por que 49 milhões de brasileiros se sentem representados por um homem que, em toda a sua vida, não fez muito mais do que passar 27 anos sentado no Parlamento, embolsando um tremendo salário. Nesse período, ele nunca se importou em ofender pessoas e falar grosso. Aí ele colocou os próprios filhos nesse negócio lucrativo que é ser político no Brasil. Também eles não se importam em ofender pessoas e espalhar o ódio. E essa família é ovacionada pelas massas. Como explicar isso para alguém de fora? O Brasil não queria ser um país sério?

Nós resistiremos, se preciso, a outra noite e contra ela vamos nos imolar em luz.

Vocês, porém, vão mergulhar no medo e na treva, rastejando diante do senhor que geraram e pariram.

Torçam por nós, mesmo nos odiando. Somos a última defesa que vocês possuem.


Der WhatsApp Chat ist offline

Comentários no Facebook