Bolsonaro tem “SMI”: Serviço Miliciano de Informações

Na entrevista que deu, no famoso “cercadinho” do Palácio do Alvorada, Jair Bolsonaro explicou o que é o seu “serviço de informações” particular: seria formado por policiais e militares “amigos”, da ativa e aposentados, que lhe repassariam notícias e suposições mais qualificadas que as que lhe vêm da Abin, dos serviços de informações das três Forças Armadas e da Polícia Federal.

Ora, é inimaginável que velhinhos, entre uma partida de dominó e outra, ou agentes policiais, no intervalos entre os atendimentos de ocorrência se esmerem em produzir relatórios ultra-secretos para o presidente.

Mas não é de duvidar que estruturas de comando paralelas, dentro das forças policiais, estejam operando como SMI – Serviço Miliciano de Informações – de Bolsonaro.

Resta a dúvida se, também, se entre os integrantes deste SMI estão também militares, operando à revelia dos seus comandantes, informando a Bolsonaro os movimentos de políticos, juízes, autoridades civis e, quem sabe, de oficiais que não se integram às conspirações de poder militar ilegítimo.

 

 

 

 

 

 

Comentários no Facebook