Bolsonaro não é um líder de massas, é um líder de turba

Helena Chagas, n’Os Divergentes, indaga a razão de Bolsonaro não se calar e seguir produzindo declarações que lhe arranjam adversários em quase tudo.

Bernardo Mello Franco, em O Globo, escreve sobre a compulsão bolsonariana pela mentira, à moda de seu guru Donald Trump.

Ótimos artigos, à altura do vigor corajoso de seus autores.

Mas, modestamente, acho que não “chegaram ao ponto”.

Bolsonaro funciona de outra maneira e é isso o que explica porque age assim e fala asneiras às catadupas.

O atual presidente alimenta-se da divisão, da radicalização, da acusação.

A ele, de nada adiantam opiniões com as quais se possa racionalmente concordar.

Não é racionalidade o que ele persegue: o que visa alcançar são sentimentos irracionais: ódios, ressentimentos, a saída por culpar alguém pelos problemas, as frustrações, os recalques por existências que, embora materialmente razoáveis, do ponto de vista das ideias e do desenvolvimento intelectual são desgraçadamente miseráveis.

Bolsonaro não é apenas filho da mediocridade, é seu herói, seu líder, seu “rei”. É o que tem razão porque tem e terá sempre (claro, até que desmorone) razão e quem disso discordar será comunista, vagabundo, gay, drogado, bandido ou “protetor” destas categorias abjetas. Ou “melancia” se for um general da reserva que ouse dizer que é injusto discriminar os nordestinos.

Ele não pode, simplesmente por ser impossível, defender seu governo por desempenho administrativo – pois não administra – ou por bons sucessos econômicos – pois não há política econômica – ou por avanços sociais e civilizatórios – pois anda na contramão disto.

Justifica-se pelo “inimigo”, a quem cabem todas as responsabilidades pelo que se vive, passadas ou atuais. E, portanto, não tem nenhuma prioridade que não seja a destruição do que existe, não a construção de qualquer coisa.

Não é assim em matéria de previdência, de proteção ao emprego, ao meio ambiente, às relações com todos os povos do mundo, ao papel regulador do estado, à Universidade e, agora, até ao ressurgido cinema nacional?

O presidente, reconheça-se, não o esconde ou dissimula.

Jair Bolsonaro não pretendeu nem pretende ser um líder de massas, nos sentido de liderá-las em um processo de crescimento ou redenção.

Ele é um líder de turbas, a quem incita à destruição.

Comentários no Facebook