Bolsonaro já propôs cotas raciais para deputado federal. Mas como deboche…

O presidente eleito, que discursa todo o tempo contra as cotas de inclusão para negros na educação, já apresentou, ele próprio, um projeto de lei – o PLP – 354/2006 – propondo que metade das vagas de deputado federal fosse reservada a parlamentares originários “das  populações negras e pardas”.

Na justificação, ele escreve:

“A cada dia se torna mais freqüente o surgimento das chamadas ações afirmativas, que buscam a inclusão de minorias e segmentos ditos “menos favorecidos”. Neste sentido, a previsão de cotas para as populações negras e pardas em Universidades Públicas ilustra bem esse contexto.
O exemplo tem que vir desta Casa que, por essência, é a legítima representação do povo e, em assim sendo, deve possuir de forma proporcional representantes de todos os segmentos sociais.”

Mas, calma… Apesar de ter subscrito o projeto, Bolsonaro esclarece que o faz por deboche:

“Mesmo sendo autor da proposição, por coerência, votarei contra esta matéria.”

Sim, é isso mesmo, ele propõe uma lei apenas para poder fazer politicagem com o tema das cotas raciais.

Arquivado duas vezes pelo término da legislatura, Bolsonaro pediu seu desarquivamento a cada novo mandato, pela última vez em 2015.

Não é à toa que jamais tenha sido levado a sério como parlamentar pelos seus pares.

Fico curioso do que seria a sua resposta caso um jornalista perguntasse, em meio a uma coletiva, porque ele havia três vezes proposto a criação de cotas para negros e pardos na Câmara dos Deputados.

-Eu ‘tava’ de sacanagem, tá ok?

Que tipo de governo um moleque pode fazer? Poupem-me da resposta.

Comentários no Facebook