Ataques a jornalistas sobem 54% no ano 1 de Bolsonaro

A Federação Nacional dos Jornalistas lança amanhã, no sindicato da categoria no Rio de Janeiro, a edição 2019 do seu Relatório da Violência contra Jornalistas e liberdade de imprensa, detalhando como no primeiro ano do governo Bolsonaro os ataques, de diversos modos, a profissionais do jornalismo cresceram 54% neste período.

Vários deles, verbais, aconteceram mesmo na porta do Palácio da Alvorada, onde o presidente não se acanha de dizer a quem cumpre o calvário profissional de acompanhá-lo as maiores barbaridades, desde a dizer que o repórter “tem cara de homossexual” até aconselhá-los a salvarem o planeta indo apenas dia sim, dia não ao banheiro.

Diz a Fenaj que Jair Bolsonaro, “sozinho, foi o responsável por 121 casos (58,17% do total) de ataques a veículos de comunicação e a jornalistas. Foram 114 ofensivas genéricas e generalizadas, além de sete casos de agressões diretas a jornalistas”.

Mas há casos mais graves, como ao assassinato de dois jornalistas, Robson Giorno e Romário da Silva Barros, e Maricá-RJ,mortos em razão do exercício profissional.

A presidenta da Fenaj, Maria José Braga, considera que “há, de fato, uma permanente ameaça à liberdade de imprensa no Brasil e à integridade física e moral dos jornalistas”.

E vai piorar, com a matilha do fascismo excitada contra o que seus chefes chamam de “extrema-imprensa”, mesmo sendo grande parte dela dócil e tolerante contra os desmandos do governo.

Aos que puderem ajudar a divulgar, a gratidão dos jornalistas. Não é só o nosso couro, o direito de ser livremente informado, que pertence a toda a sociedade.

Comentários no Facebook