Agora, a ‘ex-CPMF’ não é do Jair, nem do Guedes, é só do Cintra…

Creio que – não sem alguma razão – o governo considera que a imprensa e a opinião pública se compõem de “tolinhos” que acreditam em qualquer coisa.

Alguém pode acreditar que um Secretário de Paulo Guedes, um dos mais importantes integrantes da sua equipe (ainda mais quando se trata de tributos), ia falar de um imposto, com detalhes de alíquotas de quanto e tanto para tais e quais operações, sem haver um consenso dentro do ministério?

Afinal, se a Receita revelou, em detalhes, como seria e quanto seria a mordida, será que falava apenas por conta própria?

É claro que havia um acordo, no mínimo, dentro do Ministério, sobre o que se desejava fazer e é quase tão inacraditável que uma medida como essa não tenha sido, ao menos, pré-combinada com o presidente.

Mas os covardes marqueteiros, ao ver o tamanho da reação à proposta, acharam melhor queimar Marcos Cintra, sozinho.

Sai a público o herói Bolsonaro, que impede a criação do imposto.

Nunca vi tanta gente “tolinha”…

 

Comentários no Facebook