A “australiana” racista ganha habeas-corpus canguru. Pra ela não tem Sheherazade. Ainda bem, somos civilizados

cortebsb

A imprensa brasileira se compraz de ver um juiz negar prisão domiciliar para José Genoíno, mesmo este tendo graves problemas cardíacos.

É isso aí, Juiz tem que ser impiedoso, durão, implacável.

Mas não li uma palavra de indignação, um comentarista “cult” protestando contra o que aconteceu em Brasília, com a soltura, quase que imediata, de uma mulher, de naturalidade australiana – mas naturalizada brasileira  Louise Stephany Garcia Gaunt-  que reiteradamente praticou crime de racismo, ao se recusar a ser atendida por uma manicure negra, mandou-se se retirar do ambiente e ainda ofendeu outra cliente, negra, e um policial – também negro – que  atendeu o caso.

Nem mesmo 24 horas a cidadã ficou presa, por um crime que é inafiançável.

Foi solta por um habeas-corpus, sobre o qual a imprensa nada diz, inclusive o nome do sr. Juiz que o concedeu.

Nenhum senhor Promotor Público apareceu protestando e recorrendo, em nome da sociedade, da decisão.

Não teve “Sheherazade” para dizer que seria “compreensível” se a negra Tassia, desencatada com a Justiça que “protege australiana bandidinha” tivessem acorrentado a mulher pelo pescoço a um poste e arrancado suas roupas, deixando-a para a polícia.

Porque Tassia, suas colegas e a dona do salão foram pessoas civilizadas, que fizeram o correto, enfrentar a ofensa e chamar a polícia, que cumpriu a lei e levou a racista à prisão.

Sua atitude é um exemplo de que a sociedade não é feita de bárbaros, diz a Barbie que fala que nosso país não é civilizado. Talvez a senhora Gaunt., que estudou na escola Americana de Brasília, é quem não seja. E olhe que ela é servidora pública, com o salário pago por todos, inclusive a negra Tassia.

Ninguém quer agredi-la ou linchá-la, mas que seja tratada com a lei. Nem que mofe na cadeia, mas que a imprensa ao menos apure e divulgue o que levou o juiz a soltá-la.

Temos uma lei, a lei Caó, que pune o crime e não permite o relaxamento da prisão por fiança e temos uma imensa maioria de pessoas que quer vê-la respeitada.

Maioria talvez não tão grande numa Justiça que funciona de maneira descaradamente discriminatória, que sai correndo para cuidar de gente “boa” como a D. Louise.

Gente tão boa que  destila ódio nas páginas dos sites da grande mídia, como você  pode ver vos comentários postados a respeito do vídeo, no site do Terra.

 

 

 

 

 


Der WhatsApp Chat ist offline

Comentários no Facebook